10 Tendências tecnológicas para 2021 que tem de conhecer

A IDC publicou as suas previsões para o setor das Tecnologias de Informação para 2021 no relatório FutureScape. Segundo a empresa de estudos de mercado na área tecnológica, os responsáveis pelas Tecnologias da Informação e Comunicação precisam de se concentrar em três áreas ao longo dos próximos cinco anos para terem sucesso neste período de mudança.

A curto prazo, precisam de remediar quaisquer deficiências nos ambientes de TI que tenham sido introduzidas durante a resposta de emergência inicial. Precisam também de identificar onde é que a crise e a resposta da sua organização aceleraram as tendências de transformação das TI. Mais importante ainda, devem aproveitar as oportunidades trazidas pelas novas tecnologias para tirar partido das perturbações competitivas e industriais e alargar as capacidades de aceleração do negócio no “próximo normal.”

Apesar das perturbações causadas pela pandemia em 2020, a economia global continua a caminho do seu “destino digital”, uma vez que a maioria dos produtos e serviços são baseados num modelo de entrega digital ou requerem um crescimento digital para se manterem competitivos.

Eis 10 previsões a não perder de vista de acordo com o relatório da IDC.

  1. A mudança para um sistema centrado na nuvem acelera

No final de 2021, com base nas lições aprendidas, 80% das empresas irão criar um mecanismo para mudar para infraestruturas e aplicações centradas na nuvem duas vezes mais rápido do que antes da pandemia. Os CIOs devem acelerar a transição para um modelo informático centrado na nuvem para manter a paridade competitiva e para tornar a organização mais resistente digitalmente.

  1. O Edge Computing torna-se prioridade máxima

Até 2023, as reações à mudança da força de trabalho e das práticas operacionais durante a pandemia serão aceleradores dominantes para 80% dos investimentos de ponta e mudanças do modelo empresarial na maioria dos setores.

  1. Espaço de trabalho digital inteligente

Até 2023, 75% das empresas comprometer-se-ão a fornecer paridade técnica a uma força de trabalho híbrida por conceção e não por circunstância, permitindo-lhes trabalhar em conjunto e em tempo real. O resultado será uma força de trabalho mais colaborativa, informada e produtiva.

  1. O legado informático da pandemia

Até 2023, a dívida técnica acumulada durante a pandemia irá assombrar 70% dos CIO, causando stress financeiro e migrações “forçadas” para a nuvem. Os ICOs inteligentes procurarão oportunidades para conceber plataformas digitais da próxima geração que modernizem e racionalizem infraestruturas e aplicações, ao mesmo tempo que fornecem capacidades flexíveis para criar e fornecer novos produtos, serviços e experiências aos trabalhadores e clientes.

  1. A resiliência é central para o próximo normal

Em 2022, as empresas centradas na resiliência digital irão adaptar-se às perturbações e alargar os serviços para responderem às novas condições 50% mais rápido do que as que estão fixadas na restauração dos níveis de resiliência das empresas/TI existentes. As empresas líderes devem ser capazes de se adaptarem rapidamente às perturbações empresariais, alavancar as capacidades digitais para manter operações comerciais contínuas, e adaptar-se rapidamente.

  1. Uma mudança para operações autónomas de TI

Até 2023, um ecossistema de nuvens emergente para alargar o controlo de recursos e a análise em tempo real será a plataforma subjacente a todas as iniciativas de TI e de automação empresarial em qualquer lugar.

  1. Expansão oportunista da IA

Em 2023, impulsionadas pelo objetivo de incorporar inteligência em produtos e serviços, as grandes empresas irão adquirir pelo menos um software de IA.

  1. Relacionamentos em revisão

Até 2024, 80% das empresas irão renovar as relações com fornecedores e parceiros para melhor executarem estratégias digitais para uma utilização omnipresente de recursos e para operações autónomas de TI. A reavaliação da tecnologia, dos serviços e das relações com os fornecedores de serviços será crucial para o sucesso a longo prazo num ambiente em que o ecossistema informático existente está a sofrer uma grande transição.

  1. Sustentabilidade

Até 2025, 90% das empresas dos países mais ricos irão exigir materiais reutilizáveis nas cadeias de fornecimento de hardware de TI, objetivos de neutralidade de carbono para as instalações dos fornecedores, e menor utilização de energia como pré-requisitos para a realização de negócios.

  1. As pessoas são importantes

Até 2023, metade da mão-de-obra híbrida e dos esforços de automatização empresarial das empresas falhará completamente devido ao subinvestimento na construção de equipas de TI/Sec/DevOps com as ferramentas/aptidões certas.

Para fazer face à escassez de talentos de desenvolvimento e análise de dados, as empresas recorrerão a fontes flexíveis de talentos, crowdsourcing, e pessoal interno para satisfazer as suas necessidades de desenvolvimento, automação e análise avançada para acelerar a inovação.

Artigos Relacionados: