3 Projetos de reciclagem eletrónica vencem o E-Waste

Cinco projetos de reciclagem do lixo eletrónico tinham sido selecionados para a fase final do E-Waste Open Innovation, concurso que pretende incentivar empreendedores a desenvolver soluções ligadas à reciclagem de equipamentos eletrónicos, lançado no início de novembro de 2020 pelas parceiras ERP Portugal (Entidade Gestora de Resíduos) e LG Portugal com o apoio da Startup Lisboa.

Durante a semana passada, entre os cinco projetos selecionados para a última fase, foram revelados os três vencedores: Trash for Goods, uma plataforma de Gamification que premeia práticas sustentáveis; Phone Hut, uma solução de “recommerce” através de ecoponto “smart”; e o Byewaste, uma plataforma tecnológica que facilita a reutilização e reciclagem do e-waste num contexto porta-a-porta.

O primeiro lugar, conquistado pela Trash for Goods, levou para casa um prémio de 15 mil euros, o segundo 3500 euros e o terceiro 1500 euros.

Ficaram de fora do prémio monetário o projeto de personificação dos REEE, que pretende personificar a reciclagem de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos utilizando uma nova plataforma de funding; e o Smartwaste, um sistema de gestão de recolha seletiva de resíduos que tira partido da Internet of Things (IoT).

Programa de mentores

Durante dois meses, os cinco empreendedores selecionados tiveram oportunidade de desenvolver as suas ideias com o apoio dos recursos técnicos e especialistas da ERP Portugal e da LG Portugal. Através de várias sessões de tutoria, apoiaram na resolução de problemas e desafios concretos nas áreas de gestão dos Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE).

A ERP Portugal – Entidade Gestora de Resíduos, nasceu em 2005 no seio da European Recycling Platform (ERP, SAS). Foi fundada por quatro grandes fabricantes de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (EEE): a Electrolux, a Hewlett Packard, a Sony e a Procter & Gamble (Braun/Gillette).

Em Portugal, a ERP começou a operar na gestão de REEE em 2006, tendo acumulado a gestão de pilhas e acumuladores em fim de vida em 2010. Ambas as licenças para operar foram atribuídas pelo Governo Português (Secretarias de Estado do Ambiente e Economia).

A LG Electronics Portugal foi fundada em 2003 e emprega cerca de 90 colaboradores. A empresa, que alcançou, em 2019, vendas globais no valor de 200 milhões de euros, engloba cinco unidades de negócio: Home Entertainment, Home Appliances, Business Solutions, Air Conditioning e Mobile Communications.

Em simultâneo, a Startup Lisboa disponibilizou mentoria personalizada proporcionada pelos seus recursos, de acordo com as necessidades previamente identificadas durante a fase de candidatura e pitch individual de cada um dos empreendedores.

A Startup Lisboa é uma incubadora de empresas com sede na Baixa de Lisboa que acolhe empreendedores e startups nas áreas da Tecnologia, Comércio e Turismo. Possui ainda uma residência para empreendedores (Casa Startup Lisboa). Foi fundada pela Câmara Municipal de Lisboa, IAPMEI e Montepio, a que se associou a Delta Cafés, Roland Berger e Universidade Católica Portuguesa.

A avaliação e seleção dos projetos vencedores foi feita por um júri composto por membros da ERP Portugal, da LG Portugal, da Startup Lisboa e da Exame Informática. Este procurou soluções e programas de encaminhamento dos REEE e reconversão dos hábitos de reciclagem deste tipo de equipamentos; soluções e ferramentas tecnológicas que permitissem incentivar e facilitar o processo de reciclagem deste tipo de equipamentos, garantindo o seu correto tratamento e reciclagem, evitando que os mesmos terminem em circuitos informais; e soluções tecnológicas e iniciativas que permitissem definir incentivos (monetários e não monetários) que fomentem de forma significativa as boas práticas de reciclagem deste tipo de resíduos.

Neutralizar o lixo eletrónico

O e-Waste Open Innovation nasceu com o objetivo de consciencializar os portugueses para a importância de neutralizar algumas das principais ameaças ambientais, como o lixo eletrónico – apenas 15% a 20% é reciclado a nível mundial.

A necessidade de aumentar esta consciencialização é cada vez mais importante. De acordo com o último relatório da ONU, em 2019 foram produzidos 53,6 milhões de toneladas de resíduos eletrónicos em todo o mundo e apenas 17,4% dessa quantidade foi reaproveitada ou reciclada.

A ONU prevê ainda que o lixo eletrónico global possa atingir 74 milhões de toneladas em 2030 – o que faz do lixo eletrónico o fluxo de lixo doméstico de crescimento mais rápido do mundo.

Em Portugal, só no ano passado, foram produzidas 170 toneladas de lixo eletrónico e mais de 30% da população ainda não tem o hábito de encaminhar e reciclar o seu lixo eletrónico. Além de terem um impacto negativo no ambiente, os Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos, quando não são corretamente encaminhados são também um risco para a saúde- contêm aditivos tóxicos ou substâncias perigosas, como o mercúrio, que pode danificar o cérebro e o sistema de coordenação.

Artigos Relacionados: