A ambição da H&M: «Tornarmo-nos totalmente circulares e positivos para o Ambiente»


A indústria da moda está perante uma emergência ambiental, profundas transformações estão a ser encetadas para melhor e o Grupo H&M está a preparar-se para não ficar para trás.

«Criar mudança sustentável numa indústria de rápida evolução requer que combinemos uma liderança pelo exemplo com parcerias e diálogo, por isso acredito que uma abordagem colaborativa é essencial», explica Nuria Ramirez, Sustainability Manager da H&M Portugal e Espanha.

Determinada, juntamente com a sua equipa, a dirigir a indústria para um método de trabalho circular em todas as fases da cadeia de valor da H&M – do design e produção à utilização, reutilização e reciclagem por parte do consumidor – e a utilizar apenas recursos sustentáveis, renováveis e reciclados. Entre as diversas iniciativas, em fevereiro último, a H&M apresentava um novo conceito de marca, as Innovation Stores, com coleções que se inserem exclusivamente na lógica da moda sustentável.



A ambição da equipa é clara: tornar a marca positiva para o Ambiente em 2040. Alguns dos objetivos mais notáveis são até 2030 utilizar 100% de materiais de fontes sustentáveis nas coleções, 100% de energia renovável e 100% de embalagens produzidas em materiais reciclados ou de fontes sustentáveis, detalha ainda em conversa com a Líder. Nuria Ramirez integrou a H&M em 2000, como responsável da segunda loja aberta em Madrid, durante mais de uma década a sua trajetória desenvolveu-se na área Comercial, posteriormente assumiu a posição de Manager de área ao longo de oito anos e em 2014 incorporou o Departamento de Sustentabilidade com responsabilidades em Espanha e Portugal.

O foco da multinacional sueca de moda e artigos para o lar estará na inovação e na transparência seja nas novas formas de trabalhar, como e com quem trabalha, à performance e aos desafios que enfrenta, assim como a divulgar todos os detalhes dos produtos aos clientes.

Reunimos algumas marcas que se destacam no panorama da Sustentabilidade para nos desvendarem quais as suas metas para um futuro mais verde. Nuria Ramirez aceitou o desafio.

«A indústria da moda está a mudar para melhor e o Grupo H&M quer liderar esta mudança. O nosso compromisso para catalisar e contribuir para o progresso sistémico nas questões mais urgentes da nossa indústria, é um impulsionador importante das nossas ambições estratégicas: tornarmo-nos totalmente circulares e positivos para o Ambiente, sendo uma empresa justa e igualitária.

Temos como focos a inovação e a transparência para catalisar a mudança, identificando e escalando novas formas de trabalhar e soluções para desafios sociais e ambientais complexos e estando abertos a como e com quem trabalhamos, à nossa performance, e aos desafios que ainda enfrentamos, assim como a divulgar mais detalhes dos produtos aos nossos clientes.

A crise climática e a escassez de recursos são dois dos maiores desafios que o Planeta enfrenta e estamos determinados a ser proativos em dirigir a nossa indústria para um método de trabalho circular em todas as fases da nossa cadeia de valor – do design e produção à utilização, reutilização e reciclagem do consumidor – e a utilizar apenas recursos sustentáveis, renováveis e reciclados. O nosso objetivo é tornarmo-nos completamente circulares, o que é uma base importante para nos tornarmos positivos para o ambiente em 2040.

Alguns dos objetivos mais notáveis são até 2030 utilizar 100% de materiais de fontes sustentáveis nas nossas coleções, 100% de energia renovável e 100% de embalagens produzidas em materiais reciclados ou de fontes sustentáveis.

Criar mudança sustentável numa indústria de rápida evolução requer que combinemos uma liderança pelo exemplo com parcerias e diálogo, por isso acredito que uma abordagem colaborativa é essencial.»

Pode ler todas as intervenções na edição de primavera da revista Líder.

Por TitiAna Amorim Barroso

Artigos Relacionados: