As 5 macrotendências da indústria Fintech para os próximos anos

Um novo estudo orientado pela sociedade gestora de capital de risco, Bynd Venture Capital, e desenvolvido pelo Venture Capital Club, da Universidade Católica Portuguesa, prevê as principais linhas de atuação e análise dos mercados ibérico, europeu e global, e revela as 10 principais tendências da indústria Fintech para os próximos anos.

O relatório assinala, igualmente, o impacto que a Pandemia teve na adoção de soluções Fintech, em prol do acesso a instituições financeiras tradicionais, principalmente pelo papel da transformação digital em setores outrora mais conservadores.

As tendências são agrupadas em cinco macrotendências ligadas à sustentabilidade, uma vez que o ecossistema financeiro “green” está em crescimento, com foco na redução da pegada carbónica e em tornar as transações ecofriendly.

  1. Digitalização de Processos: Com a pandemia, a procura por processos digitais e que permitam uma maior autonomia financeira, nomeadamente em abertura de contas e utilização de assinaturas digitais, cresceu. Por esta razão, a Inteligência Artificial (IA) e a Machine Learning (ML) surgiram enquanto assistentes dos chatbots, na análise das melhores soluções financeiras e na deteção de fraudes. Ligada a esta tendência, surge outra: os Bancos 100% Digitais. Estes oferecem flexibilidade, serviços inovadores e preços mais competitivos, atraindo, por isso, pessoas que procuram soluções simples para gerir as suas finanças.
  2. Cibersegurança: Com a crescente digitalização, a segurança dos clientes passou a ser uma preocupação. Os processos digitais de tomada de decisão financeira exigem um sistema regulatório eficiente – o RegTech, que, além de proteger os dados, assegura estabilidade financeira.
  3. Literacia Financeira: À medida que as soluções digitais aparecem, a Literacia Financeira é essencial ao crescimento da indústria Fintech, sendo por isso um forte aliado. As instituições já começam a criar soluções tecnológicas de coaching financeiro, que permitem criar ligações estáveis e duradouras com os clientes. O crescimento da Literacia Financeira pressupõe, ainda, uma maior vontade, por parte das pessoas, em investir o seu dinheiro.
  4. Financiamento Alternativo: Hoje, existem formas de empréstimo alternativas às tradicionais, como o Peer-to-Peer (P2P), uma solução que aproxima diretamente os investidores aos mutuários, o Crowdfunding, no qual um grande número de investidores individuais empresta dinheiro a empreendedores, e, por fim, o financiamento baseado no rendimento, que fixa um valor que irá ser retornado tendo em conta o rendimento corrente.
  5. Soluções de Pagamento Integradas e Seguras: As criptomoedas têm ganho grande destaque a nível global e começam a ser utilizadas por grandes empresas como formas de pagamento. É aqui que surgem, novamente, as preocupações com a segurança dos dados, dando origem a soluções que oferecem sistemas de segurança.

Tomás Penaguião, da Bynd Venture Capital, comenta: “A Bynd VC procura não só acompanhar tendências do ecossistema, mas também contribuir para este tipo de análises que nos ajudam a compreender e a avaliar o panorama global de investimento em diferentes setores. O mercado ibérico apresenta um potencial enorme de crescimento na área Fintech. Esta análise desenvolvida em conjunto com os nossos parceiros da Universidade Católica mostra-nos que, apesar da maioria das startups estar baseada nos EUA, a Europa começa a acelerar o passo e a desenvolver excelentes projetos na indústria.”

Markus Duczek, do Venture Capital Club da Universidade Católica, partilha: “Vemos a indústria ibérica de Fintech como uma promissora oportunidade de investimento, mas também como uma área atrativa para se trabalhar. Os membros do nosso clube formar-se-ão em breve e, com mais de metade das empresas portuguesas Fintech ainda em fase pre-seed ou seed, estas empresas são hoje uma oportunidade de crescimento financeiro mas também pessoal e uma grande oportunidade de carreira. Esperamos ver surgir no mercado ibérico alguns startups relevantes, especialmente com soluções baseadas em dados e IA e machine learning”.

Artigos Relacionados: