As respostas às grandes questões da Leadership Summit Portugal 2020

A 4.ª edição da Leadership Summit Portugal decorreu no dia 07 de outubro, no Casino Estoril. Uma casa cheia dentro das restrições atuais para assistir àquele que é considerado o maior evento de Liderança em Portugal.

Os momentos inspiracionais e de aprendizagem foram muitos, através de palestras, debates, storytelling, performance e brainstorm. Com um programa diversificado, subiram ao palco e chegaram-nos através de vídeo talks olhares nacionais e internacionais muito claros sobre a liderança, a importância e necessidade de ser um líder confiável e o caminho a trilhar nestes tempos de incerteza.

Com um painel de luxo, a cerimónia foi conduzida por Pedro Pinto, jornalista, o programa deste ano contemplou vários momentos, que tentaram responder a grandes perguntas: “How to rise in the post-apocalyptic world?”, “What leadership lessons do we learn from COVID-19?”, “How do we fight the virus of fear? Pandemics ou pandemaniacs?”, “Is COVID-19 the ultimate influencer?” e “Can technology crush the crisis curve?”.

As grandes respostas

“Como é que vamos combater o vírus do medo? Pandemia ou pandemania?” foi o tema do primeiro slot. A abertura da cimeira da Liderança esteve a cargo de David Simas, CEO da Fundação Obama. Chegou-nos através de um vídeo pré-gravado, onde nos trouxe mensagens sobre a importância da liderança ao serviço (“servant leadership”) e sobre o cenário atual, o qual intitula de “momento de esperança”. Embora identifique que estamos a viver algo pernicioso, os “tribalismos”. Para ele: «A liderança é um exercício de tensão, especialmente em momentos de medo, entre confiança e humildade», explica, por isso para David Simas a resposta está na liderança ao serviço, dos outros, ou seja, da comunidade.

À pergunta: “Pode a Tecnologia esmagar a curva da crise?”. André de Aragão Azevedo convocou todos os portugueses para fazerem de Portugal uma Nação Digital, mais do que uma Nação Startup, em nome da marca “Portugal Digital”. «Acelerar Portugal e projetar o País no mundo, sem deixar ninguém para trás. Tudo isto com base numa ideia central: Todos os negócios são Digitais». Segundo o Secretário de Estado para a Transição Digital é a tecnologia que pode inverter a curva.

Stephan Paolini, vice-presidente executive e diretor de Talento e Aprendizagem do Grupo Capgemini, referiu que a liderança é ainda mais crítica em tempos de incerteza, como os atuais, contudo não há receitas universais para o seu exercício, «é muito mais uma questão de mindset, comportamentos, de mostrar o caminho e tomar conta das pessoas».


O debate sobre as oportunidades e riscos da tecnologia, moderado por Carmo Palma, Managing Director da empresa tecnológica Axians Portugal, trouxe ao de cima a questão de quem manda em quem: a tecnologia nos humanos ou o contrário? Na mesma mesa, Isabel Capeloa Gil, Presidente da Universidade Católica, Francisco Pedro Balsemão, CEO da Impresa, Miguel Santo Amaro, co-fundador da plataforma online de aluguer de quartos Uniplaces, Dominic Miles, co-fundador da consulta Searching For Leadership, e Carlos Costa Pina, COO do Executive Committee da Galp, partilham pensamentos interessantes.

“E agora, no que podemos confiar?”. Viktoria Kaufmann, CEO da SIVA, desvendou quais as medidas centrais que tomou quando a pandemia rebenta em Portugal e as lições retiradas do que é gerir em tempos de incerteza e principalmente numa crise em que ninguém conhecia os contornos.

Outro grande momento, reuniu em debate Paulo Portas, político e professor universitário, António Saraiva, Presidente da CIP, Augusto Mateus, político e advogado, e Miguel Pinto Luz, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Cascais. Até onde é que a intervenção do Estado pode ir no setor privado? A intervenção do Estado nas empresas põe em perigo a economia de mercado? As questões foram colocadas aos participantes da mesa redonda em pleno palco do Casino Estoril por Rosália Amorim, jornalista.


Houve também espaço para um momento inspiracional e simbólico, onde o passado e o presente se entrelaçaram. O discurso foi de Stephen Hawking, conhecido físico inglês, e chegou-nos à plateia através da voz de Paulo Pereira da Silva, CEO da Renova, um homem de fé, formado em Física pela École Polytechnique Fédérale de Lausanne, que confia na Ciência.

Durante o almoço exclusivo no Hotel Estoril Palácio, houve oportunidade para o pré-lançamento do livro “Leadership – The Power Of Giving Back”, de Pedro Afonso, líder empresarial e atual CEO da VINCI Energies Portugal, feito em colaboração com a neurocientista Luísa Lopes, o filósofo António de Castro Caeiro e a maestrina Joana Carneiro, editado pela Tema Central.  E ainda para a criação do movimento #GivingBack. Curioso?

Da parte da tarde, os trabalhos continuaram, no palco da Leadership Summit Portugal respondeu-se à pergunta “Quais as lições de liderança que aprendemos com a COVID-19”, num debate moderado por Francisco X. Froes (Presidente da Associação de Alumni do AMBA da Nova SBE), a Presidente do Grupo Luz Saúde, Isabel Vaz, o Professor Catedrático e Presidente da Comissão de Gestão da PARTEX OIL AND GAS Group, António Costa e Silva, o CEO do Santander Portugal, Pedro Castro e Almeida, e a Fundadora e Partner da AMP Associates, Rita Abecasis, põem a descoberto alguns dos ensinamentos dos momentos de superação e até dos mais difíceis.


Miguel Matos
, diretor-geral da Tabaqueira, pisou o palco confiante da revolução gigantesca que está a ser criada para melhorar a vida dos fumadores. A subsidiária portuguesa da Philip Morris Portugal está a liderar a transformação da indústria do tabaco e a dar-lhe um propósito sustentável.

“É a COVID-19 a derradeira influenciadora?”. As respostas vieram de Yan Bai com a sua perspetiva comportamental; André Nassar e a sua veia de criatividade pura, mas não ficámos por aqui.

“Um dia decidi que queria dar tudo por tudo para ter experiências memoráveis. Agarrar a vida pela raiz e deixá-la tomar conta de mim”. As palavras são de António Pedro Moreira, mais conhecido por Pedro On the Road e quem teve a coragem de ser líder da sua própria vida. O viajante escritor, que já esteve em mais de 100 países, quer pisar o trilho que escolheu para si e disse, para concluir, «prefiro cair mil vezes no meu caminho do que seguir direitinho no caminho de outra pessoa.» Um testemunho que vale a pena (re)ver.

Bruno Nogueira, Nuno Markl e Filipe Melo tiveram uma conversa descontraída e com humor conduzida por Pedro Pinto. “Como é que o Bicho Mexe?” nasce no período de confinamento e da necessidade de a partir de uma certa hora do dia, com as filhas já deitadas, ter alguma interação com adultos, explicou Bruno Nogueira durante a sessão de encerramento da Leadership Summit Portugal. Foi ele quem estendeu o convite ao humorista Nuno Markl e ao músico Filipe Melo, atribuindo-lhes lugar cativo em todos os diretos da sua conta de Instagram.

Acompanhe ao longo dos próximos dias as restantes conclusões da Leadership Summit Portugal 2020 no site da revista Líder.

Leadership Summit Portugal é uma iniciativa da Tema Central, do Lisbon Hub dos Global Shapers do Fórum Económico Mundial e da Câmara Municipal de Cascais, que conta com o Alto Patrocínio da Presidente da República e com a parceria institucional da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, International Club of Portugal, APG – Associação Portuguesa de Gestão de Pessoas, e da APESPE RH – Associação Portuguesa das Empresas do Sector Privado de Emprego e de Recursos Humanos.

Artigos Relacionados: