Cascais incentiva a visitar o museu mais perto de si

No Dia Internacional dos Museus, Cascais convida a regressar e fruir da experiência singular da Cultura. “Embarque numa “máquina do tempo” e visite uma década do passado, à sua escolha”, é assim que a Câmara Municipal de Cascais dá conhecer que amanhã [19 de maio] está marcada a reabertura de portas dos equipamentos culturais em Cascais.

Descobrir como conviviam reis, nobres e pescadores durante a época de veraneio; que utensílios eram usados em épocas mais remotas como a romana ou medieval; quem se exilou em Cascais para fugir à 2.ª Guerra Mundial.

A história de Cascais é tão diversa como a humanidade. Tanto que por vezes funde-se com a ficção. Como se protegia Cascais das invasões dos piratas quando os barcos vinham abastecer na baía? E que despojos soçobraram das muitas embarcações que naufragaram na barra do Tejo?

O “livro de histórias” é praticamente inesgotável e pode levá-lo a conhecer os vestígios deixados por 150 milhões de anos de história geológica que percorrem o concelho; a visitar 30 anos de estudo dos instrumentos musicais populares portugueses; a explorar através da arte diferentes perspetivas do mundo”.

No ano passado, foram 300 mil as pessoas que embarcaram nesta viagem, ou seja, na visita aos 12 equipamentos museológicos de Cascais, que nesse mesmo ano disponibilizaram 400 eventos.

Sabia que o Farol de Santa Marta foi o preferido, com mais de 145 mil visitantes? O Museu do Mar Rei D. Carlos o segundo mais visitado, o que demonstra como ontem e hoje o oceano é determinante nas nossas vidas.

“Os museus também nos convidam a uma outra viagem. A viagem interior em busca da nossa identidade, ao encontro das raízes que nos formam. Eles são muito mais do que um lustroso cofre de memórias, um repositório do passado. Os museus estabelecem um profícuo diálogo entre passado e presente, enquanto nos apontam caminhos de futuro. Um museu é uma porta aberta à aventura e à celebração da vida”, explicam.

 

 

Artigos Relacionados: