Cisco apoia a capacitação digital de reclusos em Portugal

Recentemente, a Cisco celebrou um Memorando de Entendimento com o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos de Justiça (IGFEJ), a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) e o Centro Protocolar de Justiça (CPJ), com o objetivo primordial de concretizar, conjuntamente, um projeto social de capacitação de reclusos na área digital.

Através do programa “Cisco Networking Academy” (NetAcad), um projeto completo de formação com cursos especializados de redes e cibersegurança de próxima geração, o IGFEJ criou uma Academia da Justiça onde se vai promover o desenvolvimento de atividades formativas, em regime e-learning, nas áreas das tecnologias de informação e comunicação, em parceria com o programa NetAcad da Cisco. Neste sentido, a empresa vai proporcionar um amplo programa de desenvolvimento de qualificações profissionais tecnológicas, incluindo cursos online, avaliações, estudos de caso e ferramentas interativas.

As responsabilidades da Cisco neste projeto incluem o desenvolvimento e a manutenção dos conteúdos e avaliações para estes cursos certificados, bem como o sistema online para a sua disponibilização. Vai facultar, também, materiais de aprendizagem complementares, ferramentas interativas e outros recursos que possam ser necessários, apoiando técnica e funcionalmente o administrador e os instrutores designados para lecionar os programas.

Por sua parte, o IGFEJ será responsável pela promoção da utilização desta Academia da Justiça e nomeará os seus administradores e instrutores. A DGRSP e o CPJ vão definir, em conjunto, quais os estabelecimentos prisionais abrangidos por este projeto colaborativo, e o CPJ será ainda responsável pela elaboração e calendarização do plano de formação a implementar, pela garantia das condições físicas favoráveis à realização do projeto e pela avaliação da satisfação e impacto junto dos meios prisionais.

“Este protocolo de colaboração representa mais um importante passo para a Cisco no seu percurso de contribuição para o desenvolvimento e a transformação digital de Portugal, alinhando-se inteiramente com os principais objetivos do MoU assinado em 2018, entre a empresa e o Governo, no sentido de acelerar a digitalização do país (Country Digital Acceleration – CDA)”, refere a empresa em comunicado de imprensa, acrescentando que “um dos pilares nos quais o CDA assenta é o desenvolvimento de competências digitais e educação inteligente, que se materializa perfeitamente neste projeto colaborativo, através da contribuição ímpar da Academias Cisco”.

De acordo com Miguel Almeida, diretor-geral da empresa, “a Cisco Portugal não poderia valorizar mais a oportunidade que este acordo representa, uma vez que se alinha inteiramente com os nossos objetivos de contribuir para acelerar os esforços de digitalização nacional. Queremos assumir um papel relevante no crescimento e competitividade do país e, por isso, estamos totalmente empenhados neste projeto tão importante, que visa a capacitação digital dos reclusos de várias instituições prisionais. Esperamos que esta colaboração possa prolongar-se no tempo e que os resultados sejam extremamente positivos para todas as partes envolvidas”.

Artigos Relacionados: