Como é que os mais ricos estão a ajudar no combate ao novo Coronavírus?

À medida que a pandemia alastra, começam a chegar doações de milhões de dólares de alguns dos mais ricos filantropos do planeta para ajudar os países a combater a doença. Saiba como os multimilionários estão a ajudar os Governos e os sistemas de saúde, de acordo com um estudo da revista CEO Magazine.

Bill & Melinda Gates
Em fevereiro, a Fundação Bill & Melinda Gates anunciou que se iria comprometer com 100 milhões de dólares na resposta à COVID-19 no mundo. O financiamento ajudará a fortalecer os esforços de deteção, isolamento e tratamento; proteger populações em risco em África e no sul da Ásia; e acelerar o desenvolvimento de vacinas, tratamentos e diagnósticos.

Jeff Bezos
A Amazon investiu 20 milhões de dólares na AWS Diagnostic Development Initiative para que os testes à COVID-19 chegassem depressa ao mercado.
A empresa em abril estava a contratar 100 mil novas posições em full time e part time nos EUA para dar resposta ao aumento da procura. E ainda aumentou os salários dos americanos em 2 dólares por hora e passou a pagar mais no resto do mundo.
O trabalho da Amazon com a Organização Mundial de Saúde (OMS) inclui vários tipos de apoios, como aumentar a capacidade e a segurança do site da organização, ajudar na tradução e transcrição do catálogo de conhecimentos da OMS e fornecer suporte logístico.
A Amazon doou 1 milhão de dólares para fundos de emergência COVID-19 em Washington DC, criou um fundo de alívio de 5 milhões de dólares para pequenas empresas e contribuiu com 1 milhão de dólares para uma nova fundação de Seattle para ajudar as pessoas infetadas pela COVID-19.

Jack Ma
O homem mais rico da China anunciou uma doação de 14,5 milhões de dólares na plataforma Weibo. Em que 5,8 milhões de dólares desse montante serão dirigidos a duas organizações de pesquisa do Governo chinês para apoiar o trabalho na criação de uma vacina. O fundador do Alibaba doou ainda mais 2,15 milhões de dólares ao Instituto da Infeção e Imunidade Peter Doherty na Austrália, para ajudar a financiar o desenvolvimento de uma vacina.
A 19 de março, a Fundação Jack Ma e a Alibaba Foundation anunciaram uma doação conjunta de dois milhões de máscaras, 150 mil kits de teste, 20 mil conjuntos de equipamentos de proteção e 20 mil proteções faciais para quatro países do Sudeste Asiático.
A 21 de março, comprometeu-se junto de 10 países da Ásia com 1,8 milhões de máscaras adicionais, 210 mil kits de teste, 36 mil roupas de proteção, além de ventiladores e termómetros.
No dia seguinte, anunciou que mais dois milhões de máscaras, 400 mil kits de teste e 104 ventiladores seriam entregues a 24 países da América Latina. A Rússia recebeu mais de um milhão de máscaras faciais e 200 mil kits de testes de coronavírus.
E no final de março, doava máscaras, testes e roupas de proteção a Portugal.

Michael Dell
A gigante tecnológica Dell doou uma quantia inicial de 284 mil dólares para fornecer uma variedade de suprimentos médicos para hospitais em toda a China.
A empresa entregou ainda infraestrutura de TI no valor de 853 mil dólares ao Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) de Hubei na China. E reservou 3 milhões de dólares em fundos e doações de tecnologia para ajudar a atender às maiores necessidades das comunidades e das organizações da linha de frente que trabalham para tratar e conter a COVID-19 em todo o mundo.

Li Ka-Shing
O homem mais rico de Hong Kong disse que doaria 13 milhões para ajudar os profissionais de saúde na linha de frente em Wuhan. Li Ka-Shing pretende fazer doações à Sociedade da Cruz Vermelha da China, uma organização não governamental sem ligações à Cruz Vermelha Americana, de acordo com a Bloomberg.

Bernard Arnault
O magnata dos artigos de luxo está a converter três das fábricas do perfume LVMH em fábricas de gel desinfetante. O gel será distribuído gratuitamente às autoridades francesas e ao maior sistema hospitalar da Europa. A LVMH comprometeu-se a fornecer pelo menos 40 milhões de máscaras para França, pagando aproximadamente 5,4 milhões de dólares pela entrega da primeira semana.

Bill Ackman
O investidor multimilionário Bill Ackman transformou 27 milhões de dólares em lucros de 2,6 mil milhões quando o Coronavírus arrastou as ações para mínimos históricos e ameaçou levar a uma profunda recessão económica.
Desde então, o CEO da Pershing Square Capital Management usou os lucros para reforçar os seus investimentos nas empresas Berkshire Hathaway, Hilton, Lowe, Restaurant Brands e Agilent.
A fundação do fundo, conhecida por fazer investimentos de impacto, está a apoiar uma nova empresa chamada Covaxx, uma subsidiária da United Biomedical recém-formada que está a desenvolver kits de anticorpos para o Coronavírus.
A Covaxx já aplicou mais de 100 mil testes COVID-19 na China e atualmente está a testar no Condado de San Miguel, em Colorado.

Artigos Relacionados: