Conflito de gerações dentro das organizações

Um dos principais desafios que se coloca aos gestores dos dias de hoje é, determinar, recompensar e motivar os seus colaboradores por forma a otimizar a sua eficácia. É do nosso conhecimento que numa organização encontramos colaboradores de múltiplas gerações. De forma a maximizar o potencial dos colaboradores, os gestores devem compreender o funcionamento, per si, de cada geração. Existem inúmeras categorias que designam diferentes gerações: Baby Boomers; Geração X; Geração Y e geração Z. Cada uma destas gerações (categorias) é produto de acontecimentos históricos que moldam os seus valores e visão do mundo, bem como a forma como se posicionam perante o trabalho.

Seguem algumas dicas de perfil que encaixam em cada uma das gerações (categorias) de forma a servirem de bússola para os gestores se orientarem:

        • Baby Boomers:
          Um Baby Boomer é uma pessoa nascida entre 1946 e 1964. São produto do final da segunda guerra mundial. Nesta altura houve um súbito aumento das taxas de natalidade, daí a designação desta categoria por baby boomers. São trabalhadores que se caracterizam por gostarem de um emprego fixo e estável. No trabalho os seus valores estão fortemente embasados no tempo de serviço, e preferem ser reconhecidas pela sua experiência à sua capacidade de inovação. Em termos de trabalho exigem pensões e cuidados de saúde. Contextualmente, defendem o amor livre, questões sociais e direitos civis.
        • Geração X:
          A geração X inclui pessoas nascidas a partir de 1960 até finais dos anos 70. Contextualmente, verificaram que ambos os pais trabalham para o sustento da família, viram os pais ser demitidos e verificaram uma elevada taxa de divórcios. Em termos de trabalho, e de forma genérica, não são fiéis a uma organização, são pessimistas, independentes e resilientes. Querem imediatamente o feedback do que fazem e o trabalho para eles deve ser divertido. Querem competências transferíveis, grupo muito stressado.
        • Geração Y:
          Nascidos após o início da década de 1980 até 1995. São autoconfiantes, multitarefas, bons trabalhadores, tecnologicamente experientes. Querem dinheiro, desafia-os o trabalho que para eles é importante, têm oportunidades de aprendizagem, são mais difíceis de agradar, requerem mais direção. Procuram muitas escolhas/opções e exigem liberdade para perseguir os seus sonhos. Querem equilíbrio: trabalho-vida. Oferecem oportunidades de formação (a todas as gerações): esperam ser coach e ser recompensados. Esperam por novas técnicas motivacionais e relacionam-se intensivamente com o ambiente de trabalho. Não aceitam o autoritarismo.
        • Geração Z:
          Pessoas nascidas, em média, entre meados dos anos 1990 até ao início de 2010. A maioria ainda não está inserida no mercado de trabalho. São nativos nas questões relacionadas com as tecnologias. Esta geração é tida como a mais tolerante que já existiu.

 

Por: Ana Pinto, Professora na Universidade de Coimbra e Consultora em Recursos Humanos

Artigos Relacionados: