Economia Circular: Um desafio imperativo para as empresas face à recuperação ambiental

Em tempos de mudanças globais, as atitudes alteram-se rapidamente e as empresas precisam de se adaptar. Para a Epson, o impacto da atual crise global é importante por muitas razões, mas estamos particularmente focados na forma como a atitude das pessoas mudou face à Sustentabilidade. De acordo com a APA, numa geração, Portugal passou de um País subdesenvolvido em políticas de Ambiente para um de primeiro mundo, onde se destacam, entre outros, a gestão dos resíduos. Isto é já um grande começo.

Hoje, as pessoas trabalham remotamente, sem viajar e a recuperação ambiental está sinalizada positivamente. Mas, no vestígio desta mudança global, a Sustentabilidade continua no topo da agenda?

Para a Epson sim. A Sustentabilidade tem sido chave na função comercial, no design, na produção dos produtos que fabricamos e nos nossos comportamentos e operações comerciais. Queremos chegar onde a tecnologia se une aos planos, para um futuro mais sustentável e economicamente viável.

A economia global inicia então um processo de transformação. Esta é a nossa grande oportunidade para repensar processos e propor uma mudança verdadeira na forma como agimos com o Planeta. O compromisso das empresas com o meio ambiente deve permanecer mais vivo do que nunca. Na Epson, dedicámos inúmeros esforços na investigação e no desenvolvimento de sistemas para a economia circular, porque acreditamos que este é o modelo que deve liderar a economia do futuro.

Estamos profundamente envolvidos com o papel que é usado nas nossas impressoras. O PaperLab é um exemplo de mudança no ciclo documental, que oferece a capacidade de reutilizar os nossos recursos, através de um ecossistema de economia circular, reduzindo completamente o impacto ambiental em comparação com o processo tradicional de produção de papel. Esta tecnologia única (quase sem consumo de água), diminui o consumo de água em 98% em comparação com o processo tradicional, enquanto dá descanso às nossas florestas, uma vez que não precisamos de pasta de papel nova e garantimos pelo menos 40% menos de emissões de CO2 em comparação com o mesmo volume de papel produzido nos processos tradicionais.

Na moda, desenvolvemos o B-SEArcular, um projeto de economia circular, em parceria com a Lisbon School of Design e a Seaqual Initiative, aliando a A. Sampaio & Filhos, Lemar e Inedit Studio, que conta com dezenas de alunos a trabalhar em ideias para lançar uma coleção cápsula inspirada no mar e feita com tecidos 100% reciclados, confecionados com plásticos recolhidos do mar. Os padrões desenhados pelos alunos são impressos pela tecnologia de impressão têxtil digital da Epson, com uma das técnicas menos invasivas e mais sustentáveis: a sublimação, que permite 80% de poupança energética, consome 60% menos de água, reduzindo consideravelmente a produção de resíduos.

Se houve algo que esta pandemia nos ensinou, é que o que fazemos hoje determina onde estamos amanhã. Vamos aproveitar este momento para construir um modelo económico circular, responsável e que nos permita viver em harmonia com o meio ambiente, sendo verdadeiros agentes na mudança para um Planeta mais sustentável.


Por Ernest Quingles, VP Epson Europe & CEO Epson Portugal, Espanha e França

O artigo foi publicado na edição de primavera da revista Líder.

Artigos Relacionados: