Educação, uma questão de método

Ninguém duvida, a pandemia de COVID-19 deixou o mundo perante uma crise sem precedentes. Enquanto o mundo se transforma há uma preocupação essencial, e um direito fundamental, que tem que ser salvaguardado: a Educação.

Cabe aos governos e entidades decisoras, em todo o mundo, garantir que o futuro das crianças e jovens não sofra danos irreparáveis, com a estagnação provocada pela epidemia mundial. Neste contexto, importa implementar programas de ensino que desenvolvam as competências dos alunos, com metodologias de aprendizagem consistentes, que se traduzam em resultados escolares de sucesso, ultrapassando não só os desafios do dia-a-dia como oferecendo-lhes bases sólidas para que enfrentem, mais tarde, o competitivo mundo profissional.

Precisamente há 60 anos foi fundado no Japão, mais concretamente em Osaka, por Toru Kumon, professor de matemática, um método diferenciador que visava desenvolver o potencial máximo de aprendizagem de cada aluno, promovendo o desenvolvimento de capacidades através da autoaprendizagem. Este método, que foi desenvolvido para ajudar o filho do professor de matemática, rapidamente evoluiu para um método consistente e evolutivo, que faz uso do raciocínio lógico e permite a aprendizagem através de etapas de dificuldade progressivas.

Ao mesmo tempo que ajudava o seu filho, Toru Kumon começou por ajudar a sua comunidade, e a verdade é que passados 60 anos este espírito de missão se traduziu no desenvolvimento de um método (e de uma marca) com presença em todo o mundo, com mais de 25 mil centros em cinco continentes. O método assenta na lógica tradicional da sua essência: ensinar os seus orientadores a tratar cada aluno de uma forma verdadeiramente única colocando-o como foco central em todo o processo de aprendizagem.

O método desenvolve hábitos de estudo diários e a sua estruturação tem como consequência a promoção do desenvolvimento de diferentes competências no aluno, que estuda de acordo com a sua capacidade e evolui nos conteúdos de aprendizagem. É possível de acordo com a resposta do aluno, trabalhar com novos conceitos respeitando sempre o seu ritmo de aprendizagem, por isso investimos na questão da individualização, garantindo as respostas necessárias para cada aluno em concreto. Ensinar de acordo com as necessidades específicas de cada criança é uma das principais caraterísticas do método e é com base nesta premissa que o material didático tem sido desenvolvido e melhorado, proporcionando uma melhor compreensão dos conteúdos num menor espaço de tempo.

Embora falemos em individualização e autodidatismo, este método envolve o contexto familiar do aluno no seu processo formativo, com os benefícios que o mesmo traz para a sua motivação. O facto de o mesmo estar pensado para ser efetuado em contexto familiar vai ao encontro das mais recentes necessidades, criadas pela pandemia de COVID-19, em que o trabalho a partir de casa se tornou o eixo central de mais de quase 1,6 mil milhões de alunos em todo o mundo.

A educação tem como missão formar pessoas responsáveis e competentes, para tal é necessário encontrar o potencial de cada aluno, para que estas caraterísticas sejam potenciadas.


Por Manuel Couto, coordenador da Kumon em Portugal

 

Artigos Relacionados: