Herói e Humano – e o líder, o que é?

Para ter sucesso, é necessário que um líder seja infalível, imperturbável e destemido, tenha controlo, uma inteligência quase sobrenatural, tal como se fosse um super herói. Será que é mesmo assim?

“Trabalhei com muitos desses líderes heróis. (…) No entanto, há algo que muitos deles estão a perceber e que provavelmente deveriam saber, mas não sabem: como liderar com o coração e com a alma. Em suma, não sabem ser o que chamo de líderes humanos”, esta é a visão de Hortense Le Gentil, executive coach, que na Harvard Business Review vem quebrar a imagem do líder herói e alertar para uma mudança, um líder humano preparado para enfrentar os desafios do agora e do futuro.

Se é certo que o mundo de hoje precisa de líderes mais humanos, é necessário que os líderes deem um passo em frente para superar um grande obstáculo: o próprio medo de serem humanos. Este é um problema de proporções globais para as empresas, para os próprios líderes e para as pessoas em seu redor.

A capacidade de o líder abraçar o seu lado humano e despir a capa pode fazer uma diferença duradora e profunda na vida das pessoas à sua volta, nas organizações que lidera e, por fim, no mundo.

Para ajudar nesse caminho, a autora explica os medos que um líder geralmente sente e identifica as metas a atingir para se tornar o líder que precisa ser:

Os medos

  • Conectar com as suas emoções – os líderes estão habituados a demonstrar o seu lado mais racional, e pode haver o receio de expor o “seu verdadeiro eu”, acreditando que podem dessa forma parecer mais fracos, ou perder a autoridade;
  • O caos – os líderes podem pensar que começar a relacionar-se com os colegas a um nível mais pessoal pode despertar um “tsunami de abraços de grupo”, perdendo o controlo da sua equipa e empresa;
  • O falhar – os líderes receiam não saber lidar com as suas emoções e as dos outros. O medo de falhar, quando se está habituado ao sucesso, pode ser sentido de forma mais pesada e levar a questionar as suas capacidades.

As metas

  • Identificar as armadilhas mentais – o medo de ser um líder humano está enraizado em velhas crenças e expectativas. Todos temos vozes interiores que moldaram a forma como nos vemos e vemos os outros e o mundo, sejam estas oriundas de pessoas que marcaram as nossas vidas ou de crenças coletivas e estereótipos. Identificar a “voz” que nos impede de avançar e nos faz ter receio da mudança é o primeiro passo para nos libertarmos dela.
  • Mudar o mindseteliminar as armadilhas mentais é o ato de coragem de enfrentar velhas crenças. É necessário ouvir a voz interior e separá-la de expectativas exteriores. É necessário reconhecer a voz que nos incomoda, se é baseada numa verdade ou se é relevante, e se estamos preparados para a deixar ir. Devemos reprogramar os nossos pensamentos, e interiorizar que contar com a ajuda de alguém confiável é essencial para o processo, seja este um mentor, um coach ou até mesmo um amigo.
  • Libertar os superpoderes de liderança com a construção mental – é necessário mudar a perspetiva para seguir frente. Imagine o que quer ser, e traduza isso em ações, comprometa-se a realizá-las para que as raízes sejam fortes e não volte a cair nas suas velhas formas de pensar e agir. Com o tempo irá criar novos hábitos, e pensar e liderar de forma diferente. Isso exige que avalie o seu percurso diariamente, para se certificar que está no caminho certo.

Artigos Relacionados: