Impacto da Pandemia nos serviços de saúde

Este é o “lado positivo” da Pandemia, destacou a capacidade de resiliência de muitas pessoas, entre os profissionais de saúde, e trouxe a possibilidade de reinventar a forma como é prestado o atendimento dos serviços de saúde, redirecionando-o para algo mais personalizado e baseado na comunidade. Kyu Rhee, vice presidente da CVS Health, partilhou na página do World Economic Forum (WEF) os três principais eixos que refletem os impactos positivos da Pandemia:

  • Saúde 24/7: com a sobrecarga nos serviços de saúde, a Pandemia veio realçar a necessidade de atendimento em qualquer lugar, a qualquer hora e de forma acessível. A transformação nas preferências do consumidor impulsionou as teleconsultas. O estudo “2021 Health Care Insights Study”, realizado pela CVS Health, aponta um aumento de 600% nas consultas virtuais. Embora indiquem ser um resultado direto do confinamento, os analistas preveem que o envolvimento virtual pós-pandemia deverá permanecer entre 20 a 30% acima da linha de pré-pandemia. Os cuidados de prevenção e rotina também se voltaram mais para o que chamam de “modelo de comunidade”. As pessoas demonstram um interesse crescente em explorar os serviços de saúde locais e farmácias para atendimento primário. É, então, crucial a relação entre o farmacêutico e o paciente para melhorar o atendimento. Intervenções personalizadas demonstram melhorias no processo de tratamento e nos serviços de saúde, aliviando adicionalmente a pressão no setor, evitando visitas desnecessárias às urgências.
  • Saúde Mental: A pandemia agravou a saúde mental, refletindo-se num maior número de casos de stress (35%), ansiedade (37%), isolamento (30%) e outros problemas de saúde comportamental. Como tal reforçou também a necessidade de apoiar e criar recursos acessíveis e económicos para ajudar as pessoas a combater esses problemas. Em reconhecimento dessa necessidade de apoio à saúde mental, o contacto entre o paciente e os assistentes sociais clínicos é fulcral para diagnosticar e avaliar as necessidades de bem-estar, e aconselhar as pessoas a procurarem por recursos comunitários adicionais. A adoção de um modelo de atendimento híbrido, incluindo consultas presenciais e virtuais, é, com base no estudo, considerada por 64% dos entrevistados.
  • A saúde é um desporto de equipa: É certo que a pandemia impulsionou a inovação em vacinas, tratamentos e acesso a cuidados. Por trás desse sucesso há que reconhecer o empenho dos farmacêuticos, médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores que permitiram que tal acontecesse. Estima-se que, devido à maior acessibilidade dos farmacêuticos nos períodos de confinamento, houve um aumento na confiança por parte do consumidor, tendo consultado até dez vezes mais o farmacêutico em relação a um prestador de cuidados primários. Crê-se que nos próximos anos o papel do farmacêutico e de outros prestadores continuará a evoluir, ajudando por sua vez a aliviar a pressão nos serviços de saúde e a lidar com a escassez de funcionários, oferecendo aos pacientes mais opções de cuidados médicos.

Artigos Relacionados: