INCoDe.2030 quer capacitar Portugal no digital sem deixar ninguém para trás

Decorreu ontem na Alfândega do Porto a 3.ª Conferência do Fórum Permanente para as Competências Digitais do programa INCoDe.2030. Ao longo do dia contou-se com várias intervenções de membros do governo desde o Primeiro-Ministro, António Costa, o Ministro da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, a quem coube o encerramento da conferência. “É importante envolver todas as gerações, homens e mulheres, neste esforço de transformação digital”, referiu Manuel Heitor.

Antes disso e ao longo da manhã, o chefe do executivo começou por salientar que além da centralização que já existe nos jovens através do sistema de ensino, é importante que haja uma concentração naqueles que já estão no mercado do trabalho e mesmo com aqueles que, tendo já saído, não podem estar excluídos. O lema ao longo do dia foi mesmo o de “não deixar ninguém para trás.” A inclusão e requalificação digital foi uma das áreas mais exploradas e debatidas nos diferentes painéis deste programa.

Já o Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, relevou o facto da transformação digital das sociedades e da economia ser o desafio mais importante que o país enfrenta. Além da capacidade de aceleração, de possibilidades de tecnologias digitais de comunicação, o aumento da capacidade de produção, de processamento, armazenamento e comunicação de dados, está-se a criar um conjunto de possibilidades no mundo dos negócios, na vida sociável, que tornará a mudança vertiginosa nos próximos dez anos.

Uma das novidades foi a assinatura do acordo do programa nacional UPskill que vai reconverter 3000 trabalhadores em profissionais da área de Tecnologias de Informação, Comunicações e Eletrónica (TICE), através de formação intensiva (de três a seis meses + três meses on job). Um programa apoiado pelo Governo Português que implementa a integração numa empresa através de um salário mínimo de 1200 euros.

Entre Secretários de Estado da Transição Digital, do Trabalho e Formação Profissional, da Valorização do Interior e educadores e professores dos ensinos secundários e universitários, apontaram-se novos caminhos para reforçar a transição e requalificação digital.

Apresentado ainda em 2017 como um esforço integrado, transversal à sociedade civil e com vários eixos de atuação, o Programa INCoDe.2030 teve início em 2018 e com dois anos no terreno juntou os vários intervenientes nos cinco eixos de atuação e nos vários domínios deste consórcio. Nuno Rodrigues, coordenador geral do programa, referiu também que já se sente uma mudança positiva que está refletida nos principais indicadores europeus. O mais recente relatório que será divulgado em breve, aponta para a subida de dois pontos no capital humano, relativo à capacitação digital. “Esta é uma área que está a ter uma atenção nunca antes dispensada a nível político”, referiu.

Artigos Relacionados: