Mercados de escritórios em Lisboa e no Porto caíram 34% e 66% no primeiro semestre de 2021

Segundo uma análise recente da consultora imobiliária Savills, o mercado de escritórios de Lisboa contabilizou nos primeiros seis meses do ano de 2021 um volume de absorção total aproximado de 55.500 m2. Isto revela um decréscimo de 34% comparando com o mesmo período de 2020 e uma quebra de 50% comparando com o volume alcançado no primeiro semestre de 2019, no período pré-pandemia.

Alexandra Portugal Gomes, Head of Research da Savills Portugal, afirma que “não são resultados que nos tragam surpresa, nem geradores de pessimismo. As previsões que temos avançado no decorrer deste ano têm sido coerentes com os resultados que estão a ser observados, assentes num contexto de recuperação da Pandemia que ainda coloca muitas empresas em regime de teletrabalho e consequentemente conduz a um prolongamento das decisões de mudança ou expansão de novas instalações”.

No entanto, a responsável nota que “é curioso verificar que o volume de absorção segue ao sabor do ritmo da Pandemia e que, nos últimos dois meses, os valores já conseguiram ultrapassar, ainda que de forma ligeira, os valores registados no ano 2020”.

No balanço do primeiro semestre de 2021, a Zona do Parque das Nações foi a que observou o maior volume de absorção, com aproximadamente 21.000 m2 (um aumento de 53% face a período idêntico em 2020). Já as zonas Prime CBD e Corredor Oeste viram os seus volumes de absorção decrescer 67%.

Os setores de serviços financeiros e TMT´s & Utilities permanecem os mais ativos na procura de novos espaços escritórios, tendo exercido um peso de 64% no volume total de negócios fechados no decorrer do primeiro semestre de 2021.

“O setor das TMT´s & Utilities e o setor financeiro têm sido as grandes forças motrizes do mercado de escritórios de Lisboa. São áreas de atividade que, pela sua natureza operacional e grau de internacionalização, colocam ao mercado novos desafios de ocupação, necessários para a contínua e bem-sucedida modernização do parque de escritórios de Lisboa”, refere Ana Redondo, Associate Director do Departamento de Office Agency da Savills Portugal.

Conforme a análise, mês a mês, o mercado de escritórios de Lisboa caminha para uma recuperação mais estável dos valores de ocupação.

Quanto à região do Porto, foi registada uma descida de 66% no primeiro semestre de 2021, mas uma subida gradual mensal do volume de absorção que deixa antever uma recuperação a breve trecho. No mercado de escritórios, o volume de absorção total relativo aos primeiros 6 meses de 2021 situou-se nos 9.558 m2, o que representa uma descida de 66% comparativamente ao período homólogo de 2020 e uma quebra de 53% face ao mesmo período no ano 2019.

“No mercado de escritórios do Porto, é mais visível uma retração da procura e o adiamento de decisões de mudança ou expansão de instalações. Ainda assim, a observação dos valores de absorção desde o início do ano 2021 até ao final de junho de 2021, permite-nos verificar uma evolução muito consistente mês a mês, ainda que em níveis abaixo dos verificados no mesmo período do ano 2020, mas que progridem e reagem positivamente à recuperação do mercado”, afirma Alexandra Portugal Gomes.

De acordo com Ana Redondo, “Independentemente dos resultados alcançados, é importante ressalvar que os escritórios irão continuar a exercer um papel fulcral no reforço dos valores e cultura da empresa. Com 54% dos novos espaços de escritórios projetados para 2021 já pré-arrendados e um processo de vacinação que segue a bom ritmo, os próximos meses prometem abrir caminho a um ano 2022 mais próximo dos valores pré-pandemia”.

Artigos Relacionados: