Neurociência: A última fronteira no domínio da singularidade?