O futuro da reforma pode estar na idade biológica

A vida profissional deverá dar mais ênfase ao bem-estar físico e mental, incluir períodos de educação mais regulares e o local de trabalho terá de mudar para acomodar horários mais curtos a pensar nas pessoas de mais idade, sem lugar a discriminação. Tudo isso significa que a idade de reforma do futuro poderá ser individualizada

Maior longevidade, taxas de natalidade em declínio e menores retornos financeiros para as reformas estão a pressionar os sistemas de pensões, em todo o mundo. Será o período de aposentadoria nos seus 65 anos, algo do passado?

O recente relatório do Credit Suisse sobre o tema, lançado em Davos 2020, dá o mote para alguma reflexão sobre o tema, num momento em que o mundo e a forma de trabalhar mudou. E a idade de reforma também mudará? A Adecco acredita que sim.

Um mundo em mudança
Tanto os países desenvolvidos quanto os em desenvolvimento enfrentam novos desafios causados pela crise atual, a nível de emprego. E entre eles, os problemas associados ao envelhecimento da população, não deixam de ser uma realidade. O mundo está a passar por uma grande transição demográfica com a esperança de vida a aumentar. A expectativa média de vida aumentou globalmente em 25 anos, desde 1950, de 47 para 72 anos.

Os avanços no tratamento de doenças infecciosas, a melhoria da nutrição e a consciencialização dos benefícios de um estilo de vida saudável provocaram a revolução da longevidade. Assim se espera a nova vacina e novas medidas de saúde para o tratamento do novo vírus que hoje a todos preocupa.

Reforma tradicional: idade cronológica vs biológica
Nos países desenvolvidos, a vida de uma pessoa pode ser tipicamente dividida em três etapas: educação, carreira profissional, seguida pela reforma com uma idade expectável de 65 anos. As pessoas nos países em desenvolvimento experimentam mais frequentemente apenas dois estágios: a educação e o trabalho, sem um período de reforma esperado, seja devido a um sistema de reforma menos seguro ou simplesmente porque as condições para tal não estão reunidas.

A idade, como número, não indica a mesma saúde ou bem-estar para todos, o que significa que a idade biológica pode diferir da idade cronológica. Isto também mudou drasticamente ao longo do tempo. Uma pessoa de 65 anos que vive em 1950 na Suíça teria hoje a idade biológica de 51 anos. É por isso que uma idade rígida imposta para a reforma também apresenta um problema. Embora o aumento da idade de reforma não seja problemático para pessoas saudáveis, as pessoas menos saudáveis ​​podem ser seriamente desafiadas por anos adicionais no mercado de trabalho, enquanto que se não trabalhar pode levar a uma redução no valor mensal da reforma.

Reforma no futuro
Talvez seja necessário começar a repensar o ciclo de vida de três estágios em países com populações envelhecidas, onde isso é comum e considerar carreiras mais longas. Isso pode mudar a maneira como conduzimos as nossas vidas profissionais com mais ênfase no bem-estar físico e mental, para que possamos continuar a trabalhar por mais tempo.

A nossa vida profissional mais longa incluiria períodos de educação mais regulares, para que possamos ser relevantes no mercado de trabalho e manter a satisfação em todos os estágios. O próprio local de trabalho também teria de mudar para acomodar horários de trabalho mais curtos para as pessoas de mais idade, além de se dever combater a discriminação por idade, no recrutamento. Assim, a idade de reforma do futuro poderia ser individualizada, se continuar a existir.

A vantagem oculta de ter mais de 50 anos
Com menos jovens a entrar no mercado de trabalho, a integração dos trabalhadores seniores será crucial no futuro. No entanto, as pessoas de mais idade encontram obstáculos e preconceitos, embora tragam um elevado potencial, motivação e competências.

A educação e o desenvolvimento de competências desempenham um papel fundamental na manutenção da empregabilidade. Para aumentar as suas hipóteses, os mais velhos também devem considerar formas flexíveis de trabalho, como freelancer ou trabalho autónomo. As competências futuras, a integração da força de trabalho sénior e formas alternativas de trabalho são os principais fatores de sucesso para garantir a competitividade sustentável do mercado de trabalho. O aperfeiçoamento e a qualificação contínua e uma oferta oportuna de formação de carreira robusta para funcionários demitidos, principalmente trabalhadores mais velhos, devem ser considerados parte integrante das responsabilidades dos empregadores.

Artigos Relacionados:

Centro de preferências de privacidade

Cookies necessários

Publicamos cookies neste site para analisar o tráfego, memorizar as suas preferências, otimizar a sua experiência e apresentar anúncios.

PHPSESSID, __gads, _ga, _gid, gdpr[allowed_cookies], gdpr[consent_types], wordpress_test_cookie, woocommerce_cart_hash, woocommerce_items_in_cart, _gat_gtag_UA_114875312_1
IDE
__cfduid