O futuro do trabalho

A vida pública e os noticiários vivem de episódios: de eventos salientes que captam a atenção, normalmente pelo seu conteúdo negativo. Mas esses eventos emergem de processos. Noticia-se uma epidemia mas não se noticia a incubação do vírus. Ou seja, damos aos eventos a importância que não damos aos processos que os originam. Mas convém não descurar os processos para poder moldar os eventos.

Um importante processo em curso, a transformação digital, está bem presente no dia-a-dia. Mas é importante pensar nas suas implicações a prazo.  Uma das possíveis implicações do processo é o surgimento de um mundo sem trabalho. Até agora, no curso da História, essa possibilidade não se concretizou mas nos seus livros Um Mundo Sem Trabalho (Ideias de Ler) e O Futuro das Profissões (Gradiva) Daniel Susskind discute essa e outras possibilidades.

O tema é tão importante que deve concitar a atenção de todos, na política, nas escolas, nas associações e nas pessoas. Um mundo sem trabalho pode ser um mundo distópico ou um cenário utópico. Poderá, até certo ponto, ser um mundo moldado pela nossa ação. Mas importa que essa ação seja refletida e ponderada. O excelente trabalho que Susskind tem vindo a fazer pode ser o desbloqueador da conversa. Para não esperarmos até termos de decidir à pressa.

Por: Miguel Pina e Cunha, diretor da revista Líder

Artigos Relacionados: