“O sector da Hotelaria irá contribuir para a recuperação da economia mundial”, diz CEO da Sommet Education

Na opinião de Benoit-Etienne Domenget, CEO da Sommet Education (um grupo de instituições de ensino da gestão hoteleira, hospitalidade e artes culinárias, que integra a Glion e Les Roches, com campus na Suíça, Espanha, China e Reino Unido), “as decisões tomadas hoje moldarão o setor da hotelaria de amanhã”.


É sobre este tema que escreve neste artigo o também responsável pelas escolas de culinária e de pastelaria que compõem a École Ducasse – com cursos de bacharelato, de mudança de carreira, de formação contínua e aulas particulares, nos três campus que o grupo possui na França e através de parcerias com universidades estrangeiras.

“Quatro meses. Mais de 7,1 milhões de pessoas infetadas em todas as regiões do mundo e muitas perdas. O comércio mundial deverá cair entre 13% e 32%. Um grande número, 75 milhões, de empregos em risco, segundo a Organização Mundial de Turismo da ONU. Uma queda esperada de 20% a 30% nas chegadas de turistas internacionais. Perda de 2,1 triliões de dólares no PIB, com 80% de pequenas e médias empresas em risco.

Os números da pandemia real parecem irreais e fazem-nos questionar verdadeiramente. As nossas vidas e economias estão a sofrer impactos inéditos.

Neste contexto, a comunidade Sommet Education não é exceção. As nossas operações no campus estão fechadas ou reduzidas ao mínimo, oferecendo abrigo aos alunos que não puderam viajar para chegar às suas famílias, enquanto outros estão a trabalhar em casa.

As nossas equipas têm-se esforçado incansavelmente nas últimas semanas para garantir a máxima segurança de todos e para permitir que os nossos alunos continuem os seus estudos com o mesmo nível de excelência.

Em questão de semanas, graças a uma equipa online dedicada, mudámos para a aprendizagem à distância, produzindo milhares de vídeos sobre quase todos os tópicos, cobrindo tudo, desde mixologia a finanças ou gestão da receita.

Os nossos professores provaram mais uma vez o seu incrível compromisso com os alunos, que agora estão conectados de todas as partes do mundo. Todos os dias, em todo o mundo, iniciativas corporativas, pessoais e coletivas multiplicam-se para apoiar a equipa médica e hospitalar, que está mais mobilizada agora do que nunca.

Os chefs das nossas escolas uniram forças para apoiar e trazer um pouco de conforto a esses guerreiros da saúde. Sinto-me honrado e orgulhoso por fazer parte dessa equipa ágil. O nosso sentido de responsabilidade, solidariedade coletiva e criatividade nunca foram tão vibrantes. A palavra “hospitalidade” nunca foi tão significativa: empatia, generosidade, sentido de serviço. Palavras que devem durar e durarão “no dia a seguir”.

A história diz-nos que a forte desaceleração será seguida por uma forte recuperação da indústria. A hotelaria é uma das indústrias mais resilientes e já demonstrou a sua capacidade de recuperar rapidamente, como aconteceu após o 11 de setembro e após a crise de 2008.

Como primeiro sinal de recuperação, cerca de 90% dos hotéis na China foram reabertos e o tráfego aéreo da China está acima de 40% da sua capacidade. Além disso, Governos de todo o mundo estão a preparar e começar a implementar estratégias pós-confinamento.

Uma recuperação rápida e forte é possível. As decisões tomadas agora moldarão a recuperação e o crescimento global de amanhã. Precisamos de lançar as bases para uma recuperação forte, sustentada e socialmente inclusiva agora.

Estou convencido de que esta crise é a centelha indesejada que nos ajudará a reconciliar visões do mundo que se opõem há muito tempo. A globalização descontrolada, sem limites, não é sustentável. Temos a oportunidade única de criar um “dia seguinte” mais equilibrado e sustentável, e a hospitalidade será uma de suas forças motrizes.

A hospitalidade é muito mais do que uma indústria. É a arte do serviço, a dedicação aos outros, a busca da generosidade e a abertura ao mundo. A hospitalidade, que corresponde a 10% do PIB global e representa um em cada nove empregos criados em todo o mundo, será um dos principais sectores a contribuir para a recuperação da economia mundial e do mercado de trabalho.

É possível combinar o desenvolvimento económico, viagens, acesso ao lazer, ao mesmo tempo que se respeitam os recursos, comunidades e empresas locais. Gerir essa complexidade é o desafio da nossa geração. Também é o nosso compromisso com a próxima geração.

As instituições de ensino já estão na vanguarda dessa transformação. Usar a inteligência emocional para gerir ambientes complexos, reinventar modelos, dominar os códigos para criar novos e fazer um compromisso com um futuro sustentável, são apenas algumas das áreas que ensinamos e conceitos que procuramos incutir nos nossos alunos.

Estas são algumas das caraterísticas que a próxima geração de líderes precisa para ter sucesso “no dia seguinte”. No “dia seguinte”, a hotelaria é o futuro”.

 

Artigos Relacionados: