Pessoas e futuro em harmonia

A captação de talento, e os próprios processos de recrutamento, têm vindo a alterar-se, acompanhando as motivações, os comportamentos e as ferramentas que são disponibilizadas no mercado. A adaptação dos próprios profissionais de Recursos Humanos (RH) para processos de recrutamento e seleção de perfis de topo tem sido notória e a criatividade e inovação são constantes.

Como em muitas dimensões da atualidade, a tecnologia assumiu uma posição fundamental nos processos de recrutamento e seleção. Seja com a utilização de bases de dados mais completas e de fácil leitura por parte das empresas, seja por via do aumento de usuários nas redes sociais profissionais – estas são o primeiro habitat dos recrutadores ou dos responsáveis por atrair os melhores profissionais para as suas estruturas.

Existem plataformas como a Xing, de origem alemã, mas presente em Portugal com um Hub de desenvolvimento no Porto, que atualmente concentra profissionais principalmente de territórios germânicos, mas cujo crescimento na restante Europa ocidental se prevê influente nos próximos anos. Também a Bebee, uma rede assente na partilha de interesses profissionais e pedagógicos entre utilizadores está em franco crescimento. Como não poderia deixar de ser, o LinkedIn que se apresenta como uma das mais poderosas ferramentas de recrutamento, tanto para candidatos como para recrutadores. Esta plataforma distingue-se ainda pela potencialidade de disponibilizar conteúdos técnicos, cursos e certificações de múltiplas áreas.

O LinkedIn é neste momento uma plataforma privilegiada quer pela sua consistência, quer pela qualidade de informação que disponibiliza. A plataforma tem vindo a atualizar-se com diferentes features criadas para promover os perfis dos candidatos de forma progressivamente mais completa. Atualmente qualquer utilizador pode construir o seu perfil, não só de acordo com o seu percurso, mas também com a possibilidade de retratar de forma transparente as suas motivações. Existem ainda pontos suplementares, tais como notas em relação à adaptação da cultura de uma organização, que se podem encontrar pelas partilhas que os candidatos fazem na rede social. O acesso atualmente facilitado ao tracking dos cliques, comentários, publicações ou partilhas tem potencial de análise e pode enriquecer o perfil já apresentado pelo CV.

Exatamente por isso, de forma diligente, os utilizadores devem usufruir das vantagens destas redes com o estreitamento das relações entre utilizadores e instituições e, assim, utilizá-las como uma montra para o seu verdadeiro potencial e motivações através da integração de grupos de interesses, da interação com instituições de variada índole e da promoção da própria relação que estabelece com a página da empresa onde trabalha.

Manter uma visão crítica sobre a exposição do próprio perfil nas redes sociais profissionais pode potenciar um processo de recrutamento e seleção de topo de maior sucesso, tanto para o candidato como para a própria empresa. Isto, porque o recrutamento tem de continuar a ser desenvolvido em perfeita harmonia com as pessoas e o futuro.


Por Mariana Oliveira, National Manager de Information Technologies da área de Recrutamento e Seleção Especializado da Multipessoal

[artigo publicado na edição de dezembro na revista Líder, no especial Recrutamento de Topo e a Influência das Redes Sociais]

Artigos Relacionados: