Profissionais de saúde espanhóis estreiam batas made in Zara

Depois do anúncio de que estava a fabricar roupas e material para combater o Coronavírus, a marca de vestuário de moda Zara comunicou que as primeiras batas de proteção para os profissionais de saúde já chegaram a Espanha, mais precisamente ao Complexo Hospitalar da Universidade A Coruña (CHUAC). Nas próximas semanas, avançou o jornal El Mundo, aguardam-se mais remessas deste equipamento hospitalar com o logótipo da Zara no rótulo.

A Inditex, o grupo têxtil espanhol que possui a rede de lojas Zara, entre outras, como a Massimo Dutti, fechou 2019 com um crescimento significativo em vendas e lucros, mas o novo Coronavírus alterou-lhe as contas. Segundo o El Mundo, possui mais de 3800 lojas fechadas e as vendas na primeira quinzena de março de 2020 caíram 24% como resultado do fecho de lojas e da incerteza derivada da pandemia.

Para não ficar parada e contribuir para ajudar o mundo a sair desta crise, o gigante têxtil decidiu fabricar o que é necessário para atender às necessidades dos hospitais na luta contra o COVID-19: máscaras, luvas, óculos de proteção, chapéus, perneiras e protetores faciais. O projeto passa por converter parte da sua capacidade de produção de vestuário de moda em produção de material sanitário e batas de proteção.

Além disso, pôs à disposição do governo espanhol a sua rede logística para apoiar as necessidades que vão surgindo. Embora fabrique em diferentes países, como na China, a produção chega a Espanha e daí é distribuída para outros países.

Segundo a mesma publicação, “o aeroporto de Saragoça, onde as roupas que fabrica em diferentes países costumam chegar antes de serem enviadas para lojas em todo o mundo, tornou-se num aeródromo de receção de material de saúde hospitalar.” A Inditex cedeu os seus corredores aéreos e a sua rede para poder fazer estas remessas.

Recentemente, o governo veio elogiar o comportamento da Inditex. A ministra das Finanças María Jesús Montero terá agradecido pelo seu “esforço” e “responsabilidade corporativa” em garantir o emprego dos trabalhadores, apesar de, em abril, ter prescindido do pacote de medidas de apoio às empresas disponibilizado pelo governo, o Expediente de Regulação Tenporal de Emprego (ERTE), como pelas suas doações de equipamentos de proteção.

@Direitos reservados

Artigos Relacionados: