Promover a saúde mental em tempos de pandemia – as seis recomendações da Pfizer

O isolamento social imposto e o stress causado pela pandemia COVID-19, pode criar sinais de ansiedade, angústia ou depressão. Sabe o que tem a fazer para voltar a assumir o controlo da sua saúde mental e emocional?

A Organização Mundial da Saúde declarou recentemente uma pandemia após um surto global da nova doença de Coronavírus (COVID-19). E embora a maioria dos pacientes afetados recupere sem consequências duradouras, há muitos outros que vão sofrer os efeitos a curto e longo prazo do stress, ansiedade e outras complicações de saúde mental.

Todos respondemos de maneira diferente ao stress e à ansiedade. A nossa resposta geralmente baseia-se na educação familiar, nos antecedentes ou nas circunstâncias atuais da vida. De acordo com os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças, as pessoas que podem ser mais fragilizadas com esta crise incluem:

        • Idosos e pessoas com doenças crónicas, incluindo doenças autoimunes, que apresentam maior risco de COVID-19;
        • Crianças e adolescentes;
        • Pessoas que estão a ajudar no combate à COVID-19, como médicos, outros profissionais de saúde ou socorristas;
        • Pessoas que têm antecedentes, incluindo problemas de abuso de substâncias.

Além disso, devido às leis de quarentena emitidas pelo governo e ao distanciamento social, muitos outros que não são diretamente afetados pela doença podem sofrer as consequências indiretas do auto-isolamento, como depressão e transtorno de stress pós-traumático. Se se enquadra em algum destes grupos e/ ou se sente ansioso com a exposição à COVID-19, não está sozinho. É importante observar e aceitar, enquanto cria espaço na sua agenda para cuidar de si e dos seus familiares. Primeiro, observe estes sinais comuns de angústia:

        • Sentimentos de dormência, descrença, ansiedade ou medo.
        • Mudanças nos níveis de apetite, energia e atividade.
        • Dificuldade de concentração.
        • Dificuldade para dormir ou pesadelos e pensamentos e imagens perturbadoras.
        • Reações físicas, como dores de cabeça, dores no corpo, problemas de estômago e erupções cutâneas.
        • Medo e preocupação com sua própria saúde e com a saúde dos familiares.
        • Agravamentos de problemas crónicos de saúde.
        • Raiva ou irritação.
        • Maior uso de álcool, tabaco ou outras drogas.

De acordo com a Pfizer, se identificar alguns destes sinais comuns de angústia, assuma o controlo da sua saúde mental e emocional, executando as seguintes etapas:

        • Cuide da saúde física. Faça exercícios regularmente e não negligencie a sua saúde física durante esse período. Dê um passeio, corra, pratique ioga ou mexa-se apenas. Pesquise exercícios em casa e aliste um amigo virtual. Coma refeições saudáveis ​​e equilibradas durante todo o dia, incluindo muitas frutas e legumes frescos, e durma bastante à noite.
        • Limite certos alimentos e bebidas. Lembre-se dos alimentos e bebidas que ingere. Limite a ingestão de junk food e álcool e evite substâncias nocivas, como tabaco e drogas. Agora também é um bom momento para limitar a ingestão de bebidas com cafeína, como café ou chá, pois a cafeína pode desencadear sintomas de ansiedade e interferir no seu sono.
        • Faça pausas regulares no trabalho. Mesmo se estiver a trabalhar em casa, é importante fazer pausas regulares e tentar ficar offline o máximo possível à noite. Durante o dia, lembre-se de respirar fundo e reservar um tempo para alongar e relaxar a sua mente.
        • Afaste-se das notícias e redes sociais. Com o ciclo de notícias de 24 horas e atualizações constantes sobre o vírus, acompanhar constantemente as novidades pode exacerbar sentimentos de ansiedade e medo. Pare de assistir às notícias e limite o uso das redes sociais para ajudar a gerir os seus sentimentos e emoções.
        • Fale regularmente com os seus familiares. Se mora sozinho e se sente isolado, faça videoconferências regulares ou videochamadas com os seus amigos e familiares para discutir os seus sentimentos e emoções, jogar ou assistir TV juntos.
        • Entre em contacto com um profissional para obter ajuda. Se os seus sentimentos persistirem e durarem várias semanas, entre em contacto com um terapeuta ou um grupo de apoio profissional para obter ajuda. Obviamente, se tem antecedentes, deve continuar com o tratamento e estar ciente de sintomas novos ou agravamentos.

Artigos Relacionados: