Ricardo Parreira: «Sem tecnologia não há retoma económica»

Para o CEO da PHC Software: na interligação entre tecnologia, inovação e expertise reside uma das receitas mais verdadeiras para o sucesso na conjuntura que atravessamos.

Um defensor acérrimo de que não há gestão de sucesso sem software. De facto, as empresas que têm o software no centro da sua gestão têm dado melhores respostas à crise atual. E é precisamente este o core da multinacional portuguesa que Ricardo Parreira lidera e cofundou, a PHC Software contribui há mais de 30 anos para que mais de 33 mil empresas, de mais de 25 países, tenham melhores soluções tecnológicas de gestão.

Hoje, Ricardo Parreira garante estar assim munido das condições certas para enfrentar a pandemia e o “day after”.


Colocámos a pergunta: Pode a tecnologia esmagar a curva da crise? a alguns líderes, Ricardo Parreira aceitou o desafio:

«Quem não perceber a interligação entre tecnologia, inovação e expertise arrisca-se a perder o comboio da retoma económica. Esta combinação é talvez uma das receitas mais verdadeiras para o sucesso na conjuntura que atravessamos. Só com tecnologia é possível termos a competitividade necessária; só com inovação vamos adaptarmo-nos aos novos desafios; e só com expertise teremos a robustez para acrescentar valor. Se um destes elementos falhar, não será possível acelerar a retoma que pretendemos.

É importante também que a Economia continue a funcionar, mas adaptada aos próximos desafios. Hoje, é claro que sem tecnologia não há retoma económica. As empresas que têm o software no centro da sua gestão foram as que melhores respostas deram à crise. Isto é tão válido para o restaurante que se adaptou rapidamente para entregar comida a casa dos seus clientes, como para uma empresa que teve de migrar toda a gente para teletrabalho.

Mas a lição vai além da pandemia. Não sabemos quando a crise irá acabar, mas sabemos que não durará para sempre. E as empresas que melhor se prepararem agora estarão em melhores condições para aproveitar o day after. Isto passa por manter a atividade ao serviço dos clientes, não despedir ninguém para não perder know-how e começar a preparar o futuro digital.

Não há dúvida que a retoma será feita num cenário em que o teletrabalho fará parte da norma, o ecommerce será a realidade e novos modelos de negócio irão surgir. Este é o momento para dar o salto digital que a nossa Economia precisa, porque as empresas melhor preparadas a nível da sua gestão serão aquelas que vingarão na próxima década. E não há hoje gestão de sucesso sem software.»

[O testemunho foi publicado na edição n.º 11 da revista Líder.]

Artigos Relacionados: