«Temos uma oportunidade única para reconstruir melhores economias», alerta o World Economic Forum

O relatório “Challenges and Opportunities in the Post-COVID-19 World”, desenvolvido com o apoio do Global Risks Advisory Board do World Economic Forum, aproveita a experiência e as perceções de líderes de opinião, cientistas e investigadores para esboçar um conjunto de oportunidades emergentes que podem contribuir para um mundo mais próspero, igualitário e sustentável.

«Esta crise devastou vidas e meios de subsistência. Despoletou uma crise económica com profundas implicações, trazendo as insuficiências do passado à superfície. Tal como na gestão do efeito imediato da pandemia, agora os líderes têm de trabalhar em conjunto e com todos os sectores da sociedade para enfrentar os riscos emergentes já conhecidos e construir resiliência contra o desconhecido. Temos uma oportunidade única para aprender com esta crise e começar a fazer as coisas de forma diferente e reconstruindo melhores economias que sejam mais sustentáveis, resilientes e inclusivas”, refere Saadia Zahidi, managing director do World Economic Forum, no mesmo dia [19 de maio] em que foram publicadas as conclusões do estudo “COVID-19 Risks Outlook: A Preliminary Mapping and Its Implications”.

Peter Giger, group chief Risk Officer do Zurich Insurance Group afirma que «a COVID-19 mostrou-nos que é essencial focarmo-nos nos riscos atuais e as alterações climáticas são um exemplo disso. À medida que reiniciamos as nossas economias, as mudanças dos modelos de trabalho e dos comportamentos ao nível de viagens, deslocações e consumo, apontam para novas formas de atingir um futuro com menos carbono e mais sustentável.»

«Uma vez que o elevado nível de desemprego afeta a confiança no consumo, desigualdade e bem-estar e desafia a eficácia dos sistemas de proteção social, a pandemia vai trazer efeitos a longo-prazo. Com pressões significativas no emprego e na educação – mais de 1,6 mil milhões de estudantes faltaram às aulas durante a pandemia – enfrentamos o risco de mais uma geração perdida. As decisões tomadas agora virão determinar o rumo destes riscos ou oportunidades.»

Para John Doyle, presidente e CEO da Marsh: «Ainda antes da crise do COVID-19, as empresas foram confrontadas com um cenário de riscos globais altamente complexo e interconectado. Das ameaças cibernéticas às cadeias de fornecimento e ao bem-estar dos colaboradores, as empresas vão agora repensar nas diversas estruturas das quais dependiam anteriormente. Para criar as condições para uma recuperação mais célere e um futuro mais resiliente, os governos e o sector privado precisam de trabalhar em conjunto e de forma mais eficaz. A par de grandes investimentos para melhorar os sistemas de saúde, infraestruturas e tecnologia, uma das conclusões que podemos retirar desta crise é que as sociedades têm de se tornar mais resilientes e capazes de resistir a uma nova pandemia no futuro e a outros grandes choques.»

O relatório contou ainda com a colaboração dos parceiros Marsh & McLennan e Zurich Insurance Group.

Artigos Relacionados: