«Vamos fazer de Portugal uma Nação Digital», apela o Secretário de Estado para a Transição Digital

André de Aragão Azevedo está a convocar todos os portugueses para fazer de Portugal uma Nação Digital, mais do que uma Nação Startup, em nome da marca “Portugal Digital”. «Acelerar Portugal e projetar o País no mundo, sem deixar ninguém para trás. Tudo isto com base numa ideia central: Todos os negócios são Digitais», este é o repto do Secretário de Estado para a Transição Digital.

Na realidade Portugal é um País atrativo do ponto de vista digital. É percepcionado como fortemente inovador na Europa. No que ao Empreendedorismo diz respeito, o nosso país tem aproximadamente 2500 startups registadas, 162 incubadoras/aceleradoras, três unicórnios (Farfetch, OutSystems e Talkdesk), vai poder contar com a Websummit até 2028, criou 25 mil postos de trabalho, tem 45 investidores nacionais registados. O que representa 1,1% do PIB e faz gerar 470 M€ em captação de investimento.

«Hoje sabemos que o Digital não serve apenas para “manter o negócio vivo”.  É o motor de suporte para a aposta na Inovação e o crescimento sustentado», explica André de Aragão Azevedo no palco da Leadership Summit Portugal desta manhã. Mas, apesar de, ou até por causa de, esta assimetria «sabemos que há condições para fazermos mais e melhor», chama a atenção. E por isso mesmo este Governo criou uma pasta para a Transição Digital.

De facto, basta olhar para o tecido empresarial para encontrar exemplos de grandes multinacionais que escolheram Portugal para os seus centros de excelência (Google, Cisco, Siemens), de grandes empresas nacionais digitais com tremendo sucesso e um ecossistema de empreendedorismo cada vez mais relevante, e digital. E a COVID-19 teve um impacto tremendo no domínio “.pt”, em abril deste ano houve um crescimento de 66,64%.

A solução está no “Portugal Digital”

A crise pandémica veio validar o plano que já tinha sido traçado pelo Governo, com a criação da marca “Portugal Digital”, tendo a ambição coletiva de ser o motor de transformação do País. Tem como propósito «acelerar Portugal e projetar o País no mundo, sem deixar ninguém para trás. Tudo isto com base numa ideia central: Todos os negócios são Digitais», sublinha.


«Queremos evoluir para uma verdadeira Digital Nation, o que implica cobrir todas as dimensões do digital. Como? Através de um Plano de Ação abrangente e eficaz criado em março», afirma o Secretário de Estado.

E já está tudo pensado. São seis os princípios orientadores: ambição: Portugal enquanto referência internacional; pragmatismo: capitalizando os diversos programas e estratégias já existentes; envolvimento: dos vários agentes públicos e privados na implementação do programa; comunicação e promoção, da estratégia em Portugal e a nível internacional: e monitorização e responsabilização dos diversos owners através da definição e implementação de um modelo transparente. O que vai permitir ter o foco nos sítios certos, diz, ou seja, no que chama dos três pilares: cidadãos, empresas e Estado. Para o Secretário de Estado para a Transição Digital, cada pilar será intervencionado com quatro medidas, a que chama de “iniciativas emblemáticas”. Ao todo, são 12, as iniciativas emblemáticas, que só podem ser colocadas em prática se tiverem os catalisadores certos, para serem capazes de intervir de forma estratégica e alcançar resultados. «Os nossos catalisadores para a Transição Digital são: regulação, ciber-segurança e privacidade​; economia circular dos dados​; conectividade e infraestrutura​; tecnologias disruptivas​; comunicação e promoção; e alinhamento com a estratégia Digital Europeia»​, detalha.

Para este projeto, estamos todos convocados: os gestores das micro, pequenas e médias empresas, empreendedores; os colaboradores destas empresas; e todos os que contribuem para agilidade da administração pública; todos os portugueses… «Porque cada português é herói na Transformação Digital. A nossa meta é clara: Subir no DESI – Índice de Digitalidade da Economia e da Sociedade [de momento está na 19.ª posição, a meta é alcançar o top5] e o caminho também: Execução do plano de ação para a Transformação Digital. Por isso, só com o contributo de todos é possível avançarmos e atingirmos a nossa missão. Fazer de Portugal mais do que uma startup nation, uma digital nation», fica o repto.

http://

Texto TitiAna Amorim Barroso, na Leadership Summit Portugal

Artigos Relacionados: